Pioneira ignora determinação do GDF e mantém suspensão das linhas de ônibus do Jardim Botânico
18/11/2016
Consulta pública da LUOS: participe, faça sugestões de melhorias ou impeça mudanças prejudiciais ao Jardim Botânico
25/11/2016

Depois de oito dias de suspensão, ônibus voltam a circular no JB

Da Redação do MCJB – 19/11/2016

O saldo, após oito dias sem transporte no Jardim Botânico, foi de 10 mil trabalhadores e moradores do bairro indignados e prejudicados. As denúncias contra a empresa Pioneira se avolumaram. Movimento e Secretaria de Mobilidade se reúnem para debater o caso.

 

Da Redação do MCJB – 19/11/2016

O saldo, após oito dias sem transporte no Jardim Botânico, foi de 10 mil trabalhadores e moradores do bairro indignados e prejudicados. As denúncias contra a empresa Pioneira se avolumaram. Movimento e Secretaria de Mobilidade se reúnem para debater o caso.

As quatro linhas que atendem a região só foram totalmente restabelecidas no final da tarde de sexta (18), mesmo assim usuários reclamaram que uma das linhas, de número 147.7, rodou com horário irregular.

Mas nem só de falta de transporte o usuário que trabalha ou mora no Jardim Botânico padeceu. Os funcionários da Pioneira respondiam aos que ligavam, em tom de chacota, que “essas linhas nunca deveriam ter sido implantadas” e que as linhas “só voltariam com decisão judicial”.

O Movimento protocolou ofício com denúncia da suspensão dos serviços de transporte público na Subsecretário de Fiscalização, Auditoria e Controle (SUFISA), responsável pela autuação e multa das empresas concessionárias do serviço público. Também se reuniu com o subsecretário de fiscalização, Sr. Felipe Leonardo, que prometeu mais empenho na fiscalização do serviço, principalmente agora, depois da suspensão.

reuniao_sufisa_mcjb
Margarethe (c), uma das coordenadoras de mobilidade do Movimento com Subsecretário Felipe Leonardo (e) e Diretor de Fiscalização Sr. Ricardo (d) após reunião de sexta (18)
O subsecretário informou que a Pioneira tentou alegar falta de segurança para a manutenção das linhas, depois da queima de ônibus no Morro da Cruz em São Sebastião. Entretanto, enfatizou o subsecretário, a empresa não poderia ter tomado essa decisão unilateralmente, principalmente no caso da linha nº 180.3, que não passa por São Sebastião e não poderia ser suspensa com esse argumento.

A secretaria prometeu reforço na fiscalização contra a Pioneira, para garantir o real restabelecimento das linhas e o cumprimento das viagens e dos horários, reclamação que já existia antes da suspensão. Uma nova reunião com representantes da comunidade do Jardim Botânico, de São Sebastião e com a própria Pioneira ficou marcada para dezembro, quando será reavaliado o serviço de transporte, evitando-se que situações como essa se repitam.

O subsecretário foi informado pelo Movimento que todas as reclamações e declarações feitas por moradores e trabalhadores enviadas à associação foram juntadas em processo que será encaminhado ao Ministério Público. Com isso, poderá ser aberto inquérito civil público por descumprimento de serviço público obrigatório.

Representantes do Movimento informam que, em caso de nova suspensão dos serviços ou descumprimento dos horários e viagens, poderá ser aberta ação civil pública contra o GDF, por falha na fiscalização, e contra a Pioneira, por descumprimento de contrato. A Pioneira também corre o risco de arcar com o prejuízo de cada usuário prejudicado pela suspensão dos serviços.