Após arrastão, Jardim Botânico pede ajuda à Secretária de Segurança

Da Redação do MCJB – 21/07/2016
Foto: Movimento Comunitário do Jardim Botânico - MCJB

A Secretária de Segurança, Márcia Alencar, recebeu a comunidade do Jardim Botânico em seu gabinete, ontem (20), e ouve pedido de socorro para a segurança do bairro.



O encontro foi marcado depois do susto do arrastão, assalto perpetrado por dois indivíduos de moto ao comércio da Estrada do Sol. Marcia Alencar recebeu o presidente do CONSEG-JB, Flávio Santos,  e diretores do Movimento Comunitário do Jardim Botânico. Também participaram empresários e moradores da região. Na pauta, a melhoria da segurança pública no Jardim Botânico.



A secretária escutou atentamente os relatos, que refletiram a insatisfação e a preocupação comunitária com o aumento da criminalidade no bairro, e foi convidada a participar do 1º Passeio Ciclístico, quando a comunidade fará ato contra a insegurança, devido aos recentes casos de assalto ocorridos na região.



A grande indignação relatada à Secretária deve-se ao fechamento do único posto policial da região, à diminuição das rondas policiais e à falta de um contingente de segurança pública exclusivo para o bairro.



Foi explicado à Secretária de Segurança que, segundo a CODEPLAN, a percepção da população quanto ao policiamento é uma das mais baixas do DF, com apenas 4,81%. Comunidades menores tem batalhões de polícia e bombeiros, enquanto o Jardim Botânico, com seus 70 mil habitantes, não tem nada. Márcia mostrou-se sensibilizada com o relato da comunidade e já marcou nova reunião, quando dará a resposta aos apelos da comunidade.
Foto: Movimento Comunitário do Jardim Botânico - MCJB
Presidente do Conseg-JB, Flávio Santos e presidente do Movimento, Rose Marques, explicam para secretária Márcia Alencar principais problemas de segurança do Jardim Botânico

A comunidade fala


Os comerciantes presentes relataram o clima de insegurança gerado por assaltos frequentes. Na sexta-feira, dia 15, uma drogaria foi assaltada no comércio do JB, em frente a DF-001. No sábado, 16, outra drogaria. Na segunda-feira, 18, foi a vez da terceira drogaria, cujos assaltantes estima-se sejam os mesmos que promoveram o arrastão.



Sebastião Alves, da Polar Tintas do Jardim Botânico, informou que a maioria das empresas do bairro é familiar e todos são amigos, por isso “agora somos obrigados a ficar vigiando a nossa loja e a dos outros para protegermos, não só nosso patrimônio, mas também nossos familiares e amigos vizinhos”, afirmou.



André Fortaleza, da Fortaleza Materiais de Construção, disse à Márcia Alencar sobre o fechamento do posto policial: “Vi esse posto nascer e morrer. Vi o quanto ele foi importante para manter a paz no bairro. Há dois meses o posto vem sendo desativado e raramente vejo policiais lá. A consequência disso estamos vendo agora, com essa onda de assaltos”.



O presidente do CONSEG-JB, Flávio Santos, apontou à secretária o problema das  estatísticas criminais falhas: “Os crimes registrados geralmente são contabilizados para São Sebastião. Os dados de crimes no Jardim Botânico que chegam para a Secretaria não são corretamente qualificados, passando a falsa informação de um bairro tranquilo”. Explicou que vem alertando as autoridades sobre a necessidade urgente de um contingente próprio de policiais para o bairro, mas a Polícia Militar já negou várias vezes o pedido, sempre informando que o bairro é tranquilo e que não vê necessidade de maior aparato policial. Na última resposta, a PM informou estar com número insuficiente de policiais. Flávio reclamou que o atual modelo de atendimento ao Jardim Botânico não funciona. “Somos a única Região Administrativa que tem seu território dividido, sendo o atendimento policial feito parte pelo  21º Batalhão de São Sebastião, que nós sabemos ter contingente insuficiente para atender as ocorrência de São Sebastião, e parte pelo 20° BPM do Paranoá, que está bem distante. Enquanto não tivermos nosso próprio batalhão ou destacamento, ficaremos cada vez mais vulneráveis à ação de bandidos”. Flávio ressaltou as peculiaridades do bairro, que possui grande parte de seu território fortificado por equipamentos de segurança particulares, obviamente mantendo as estatísticas baixas devido ao alto investimento privado, e que as poucas áreas abertas, dependentes do policiamento público, estão desguarnecidas e sofrendo com o aumento da criminalidade, que já chega aos condomínios com menor estrutura de segurança.



A presidente do Movimento, Rose Marques, apontou a discrepância entre a quantidade de impostos pagos pela comunidade e o retorno proporcionado pelo Estado. “Somos uma das principais fontes pagadoras de impostos do DF e, em contrapartida, não temos nenhum equipamento público (…) prover segurança pública é uma prerrogativa constitucional, não podemos aceitar que nos sejam tirados direitos básicos”, reclamou Rose. A presidente do Movimento também lembrou que, segundo a CODEPLAN, a percepção da população quanto ao policiamento é uma das mais baixas de todo DF, com apenas 4,81%. Planaltina, por exemplo, tem 34,10%, e Ceilândia, 52,67%. “Contestamos alguns dados da CODEPLAN, mas esse em específico (da baixa percepção de policiamento) é um reflexo preciso do que vivemos (…)



Secretária promete resposta rápida



Após ouvir atentamente a comunidade, a Secretária considerou justa a demanda comunitária de um efetivo próprio e se disse convencida da necessidade de uma ação imediata na região. Para ela, no caso específico do Jardim Botânico, tudo indica que a principal ação de política pública é o policiamento ostensivo, diferentemente de outras regiões que, com baixa estrutura organizacional e social, precisam de policiamento e de outras ações que abranjam educação, cultura, esportes, etc. Essa característica do bairro, para Márcia Alencar, facilita a ação de política de segurança na região.



Próxima reunião do CONSEG-JB será no dia 28/07



A próxima reunião do Conselho Comunitário de Segurança do Jardim Botânico será na quinta-feira, 28/07, no anfiteatro da paróquia Santa Clara e São Francisco, ao lado do Condomínio Mirante das Paineiras. A reunião é aberta a toda comunidade e conta com a presença dos órgãos da Secretaria de Segurança Pública.  

2 comentários em “Após arrastão, Jardim Botânico pede ajuda à Secretária de Segurança

  • 23/07/2016 em 16:46
    Permalink

    Caros amigos do Jardim Botânico a situação de segurança da região está precisando de sua presença nas reuniões do Conseg. Uma comunidade só e forte quando ela se mostra forte. "JUNTOS SOMOS MAIS FORTES". Faça o sacrifício de ir à reunião do Conseg no dia 28 de julho. O volume de representações de cada condomínio demonstra ao Governo o grau de interesse e união da comunidade. Seria interessante que pelo menos tivéssemos dois ou três representantes de cada condomínio. A nossa força está naquilo que demonstramos defender. Participe!!!!!

    Resposta
  • 23/07/2016 em 16:48
    Permalink

    Comerciantes, se vocês tem algo a perder, se junte a comunidade e participe da reunião do Conseg, dia 28 de julho.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: